• Raquel Faria

Escola infantil fundamentada na metodologia Reggio Emilia




Uma escola com Reggio Emilia, a Sementes do Alecrim integra essa abordagem pedagógica em seu currículo. Mas, afinal de contar, o que isso significa? Significa acreditar principalmente que a criança é protagonista na construção de seu conhecimento.


Por isso, nesse post você vai ler sobre:

  • abordagem Reggio Emilia

  • pedagogia de Loris Malaguzzi

  • novas escolas pós-Segunda Guerra Mundial

  • escolas inovadoras que são continuidade do lar


Mas para entender melhor a abordagem é importante a gente voltar alguns passos atrás na história. Compreender a história por trás da metodologia ajuda na compreensão de como ela promove autonomia, respeito, independência e relações sociais, culturais e econômicas mais sólidas.


Quem foi Loris Malaguzzi?

Loris Malaguzzi foi um pedagogo italiano, nasceu em Correggio 23 de fevereiro de 1920, ele se formou em Pedagogia na Universidade de Urbino. Em 1940 ele começou a ensinar nas escolas primárias 1941-1943 em Sologno, uma cidade perto de Reggio Emilia, no município de Villa Minozzo. Em 1945 ele se junta a moradores de Reggio Emilia, em pleno pós-guerra, para desenvolver uma escola para as crianças. Foi por meio dessa experiência que sua abordagem começou a ser desenvolvida.


Ele acredita que as atividades, os recursos e as escolhas de interação das crianças promovem aprendizagem, em vez de aprender de modo sistemático e automático.

Um pouco da história da abordagem Reggio Emilia

De modo muito objetivo e coerente: Reggio Emilia é uma escola diferente, enraizada na vontade das famílias de construir um mundo melhor por meio da educação. A abordagem começou a ser desenvolvida na província de Reggio Emilia, em Emilia Romana, no Norte da Itália. Após a Segunda Guerra Mundial, no Vilarejo de Vila Cella, trabalhadores e comerciantes que perderam tudo se uniram aos novos moradores que lá se estabeleceram a fim de construir uma escola para crianças pequenas. A escola foi erguida com a venda de um tanque de guerra, seis cavalos e três caminhões, deixados pelos alemães. Esse movimento inicial envolveu toda a comunidade, mas de modo especial os pais, pois nasceu do desejo de reconstrução da própria história e da possibilidade de uma vida melhor para seus filhos. Malaguzzi chegou a Reggio Emilia atraído pelo projeto educativo. E se encantou!


Diversas escolas da região foram construídas a partir dessa experiência e todas funcionavam em uma lógica de autogestão. Entre os maiores ensinamentos para as crianças: a possibilidade de reconstruir, ampliar e da importância do coletivo (sociedade) para se alcançar um objetivo.



Por que Reggio Emilia é inovadora?

Porque criança e seus pais fazem parte da escola. O que se constitui em uma escola fundamentada com Reggio Emilia é a continuidade do lar, integrando os espaços objetivos e subjetivos. A escola tem forte papel sociocultural e socioeconômico. Trazer para a escola a ideia de construção coletiva a torna um espaço realmente de troca, onde quem ensina aprende e quem aprende ensina, trazendo à tona, também, temas muito importantes sobre protagonismo infantil como autonomia e respeito.


Uma escola organizada por professores e alunos é mais ativa, pois em vez de seguir um conhecimento embalado, pronto, ela se autoaproveita. O que dela surge, nela se constrói.

Agora que falamos um pouco sobre tudo isso, podemos falar sobre como a abordagem Reggio Emilia é importante para que a criança seja protagonista e sujeito central do seu conhecimento, tendo a escola como um espaço fundamental que integra seus conhecimentos, saberes, desejos, descobertas. E, claro, sua família!


Conta para a Sementes: o que vocês pensam sobre isso?


Posts recentes

Ver tudo